Terça, 29 Dezembro 2020 18:51

Polícia Civil troca mais de 100 centrais de ar nas delegacias

 62 aparelhos foram adquiridos via Fundespol 62 aparelhos foram adquiridos via Fundespol Ascom/Polícia Civil

Visando melhorar as condições de trabalho dos policiais civis e, ainda oferecer mais qualidade na prestação de serviços, a Delegacia Geral iniciou nesta semana a troca das centrais de ar instaladas nas delegacias de Polícia.

De acordo com o delegado Geral, Herbert de Amorim Cardoso, após a inspeção nos prédios das Unidades Policiais, tanto da Capital, quanto do Interior, foi constatado que várias centrais de ar estavam com defeitos ou muito antigas e em desuso, o que poderia acarretar em problemas de saúde aos servidores.

“Pensando em ofertar mais bem-estar aos nossos servidores, bem como aos usuários do Sistema que procuram nossos serviços, após detectarmos esse problema e alinhado com o Planejamento Estratégico da Polícia Civil, adquirimos aproximadamente 100 equipamentos novos de centrais de ar que já estão sendo instalados”, informou.

O delegado Geral ressaltou que o investimento total na aquisição das centrais de ar foi de R$ 194.915,00, com recursos provenientes tanto do Fundespol (Fundo de Modernização, Manutenção e Desenvolvimento da Polícia Civil do Estado de Roraima) quanto do Tesouro Estadual.

Ao todo 62 aparelhos foram adquiridos via Fundespol, com o custo total de R$ 119.880,00.  Os demais 37 aparelhos foram comprados com recursos do Tesouro Estadual, no valor de R$ 74.915,00.

O diretor do DA (Departamento Administrativo) da PCRR, delegado Jimmy Santana, explicou que os novos equipamentos vão substituir algumas centrais que estavam quebradas ou em desuso.

“A disponibilização dos novos visa, entre outras, garantir melhores condições de conforto térmico e ambiental para todos os usuários das unidades policiais, sejam eles servidores públicos, população ou conduzidos”, detalhou.                                                          

Mais benefícios foram enfatizados pelo diretor, como a redução de custos.

“Além de garantir melhores condições de trabalho, a troca dos equipamentos permite a redução dos custos administrativos, na medida em que é reduzida a despesa com manutenção corretiva e consumo de energia elétrica, uma vez que os novos aparelhos possuem classificação de consumo A, e alguns tem tecnologia inverter, garantindo também, dessa forma, a utilização sustentável e segurança do meio ambiente”, concluiu.

A Polícia Civil conta atualmente com 300 equipamentos de centrais de ar. Destes, 99 serão substituídos tanto nas delegacias da Capital, do Interior, quanto nos Institutos de Perícias Oficiais.