Quarta, 27 Novembro 2019 21:30

Polícia Civil esclarece assassinato de jovem no Sul do estado e deflagra operação “Aboiz”

Polícia Civil esclarece assassinato de jovem no Sul do estado e deflagra operação “Aboiz” Polícia Civil

A Polícia Civil deflagrou no início da manhã desta quarta-feira, 27, a operação “Aboiz”, no Sul do Estado, com objetivo de cumprir cinco mandados de prisão e dois de busca e apreensão. A ação faz parte da investigação que visa esclarecer o assassinato da jovem Viviane da Silva Formoso, de 24 anos, sequestrada no dia 29 de agosto, morta no dia 30, cujo corpo foi encontrado no dia 31, na vicinal 34, uma área rural de Rorainópolis. Ela teve 18 golpes pelo corpo, tendo sofrido uma “degola”.
A investigação para esclarecer o assassinato de Viviane Formoso e identificar os autores do crime é presidida pela delegada de Rorainópolis, Suébia Cardoso e contou com a participação dos delegados Cid Guimarães e Fernando Cruz.
Para a ação desta quarta-feira visando o cumprimento dos mandados de prisão, os trabalhos foram coordenados pelo diretor do DPJI (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), Maurício Nentwig e teve a participação de policiais do município, também de São João da Baliza, do DOPES (Departamento de Operações Policiais), GRT (Grupo de Resposta Tática), DGH (Delegacia Geral de Homicídios), do GRI (Grupo de Resposta Imediata), Plantão Diferenciado e Policiais Militares.
A investigação aponta que Viviane Formoso foi submetida ao “tribunal do crime” e morta em decorrência da “guerra” entre organizações criminosas. Por ser amiga de integrantes de duas facções criminosas rivais, havia a suspeita de que ela estaria “entregando” alguns criminosos para um grupo rival.
A delegada de Rorainópolis, Suébia Cardoso iniciou as investigações logo após a notícia do crime e representou pela prisão de nove pessoas, suspeitas de participação no crime.
São eles:
1- José Domingos Ribeiro da Silva, apelidado de “Baixinho”, de 30 anos (Dono do local que foi o cativeiro da vítima);
2- Liliane de Jesus Dantas, de 26 anos (Esposa de “Baixinho”, o dono do local que foi o cativeiro da vítima);
3 - Talia Lima da Cunha, de 22 anos (amiga da vítima e apontada como sendo uma das pessoas que a levou ao cativeiro e presenciou a execução da vítima);
4 - Geisa Albuquerque da Silva, de 22 anos, (apontada como sendo uma das pessoas que esteve no cativeiro e presenciou a execução da vítima);
5 - João Vítor Lopes, apelidado de Branco, de 20 anos, (apontado como executor);
6 - Samuel dos Santos Rodrigues, apelidado de “Patrick ou Capa Preta”, de 20 anos (apontado como executor);
7 - Mizael da Silva Campo, apelidado de “Samurai”, (apontado como executor);
8 - Guilherme Soares Izídio, apelidado de “Pesadelo”, de 20 anos;
9 - Jesus Rael Fernandez Quintana, apelidado de “El Tigre”, de nacionalidade venezuelana, (apontado como executor).


Dos nove investigados, a Justiça decretou a prisão de cinco deles. São eles: Talia Lima da Cunha, João Vítor Lopes, Samuel dos Santos Rodrigues, Guilherme Soares Izídio e Jesus Rael Fernandez Quintana.
Também foi decretada a busca domiciliar para a localização de aparelhos de telefone celular e eletrônicos de cinco dos investigados, caso estivessem portando os equipamentos no momento da abordagem. Ainda foi decretada a busca e apreensão de telefones celulares de mais dois dos investigados.


A OPERAÇÃO - Durante a operação desta quarta-feira, foi realizada uma busca pessoal e Geisa Albuquerque da Silva foi conduzida à Delegacia de Rorainópolis, quando prestou novas informações. Ela foi qualificada e interrogada confirmou mais detalhes de sua participação no crime.
Foi presa ainda a amiga da vítima, Talia Lima da Cunha, que indicou a participação de outra pessoa que não era investigada ainda pela Polícia Civil. Trata-se de uma mulher, que também foi conduzida a Delegacia de Rorainópolis, qualificada e interrogada pela equipe da Polícia Civil.
Para delegada Suébia Cardoso o trabalho realizado para esclarecer o crime foi extremamente importante e ação desta quarta-feira corroborou para indiciar outras pessoas no crime e detalhar a participação de cada um dos autores.
A Polícia Civil realiza buscas para localizar quatro dos autores do crime que não foram encontrados na região.


OPERAÇÃO ABOIZ - Operação Arboiz que significa traição, cilada, emboscada. O nome remete a essa situação de traição, porque a vítima foi levada para o cativeiro pela própria amiga, com quem nutria um sentimento de confiança.


TRÁFICO DE DROGAS – Durante os trabalhos, a Polícia Civil realizou a prisão em flagrante por tráfico de drogas de Fábio Bezerra Maria, apelidado de “Loirinho”. Os policiais já tinham informações de que ele estaria traficando drogas na região. Durante a abordagem foram apreendidas duas porções de maconha na posse dele, além de R$ 115,00, uma caixa de som e um motosserra furtado recentemente na região.