Quinta, 07 Novembro 2019 19:36

EXECUÇÕES PENAIS Denarc expõe material eletrônico utilizado em investigações

Um drone tem sido utilizado quase que diariamente em inúmeras investigações da Polícia Civil de Roraima Um drone tem sido utilizado quase que diariamente em inúmeras investigações da Polícia Civil de Roraima Polícia Civil

O drone é um equipamento importante no suporte às investigações

Equipamentos digitais pertencentes ao NN (Núcleo de Narcóticos) do Denarc (Departamento de Narcóticos) da PCRR (Polícia Civil de Roraima), obtidos por meio do edital para seleção de projetos sociais da Vepema (Vara de Penas e Medidas Alternativas), do TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima) em 2017, serão expostos na tarde deste sábado, 09, na Praça Velia Coutinho.

A máquina fotográfica digital e o drone utilizados pelo NN foram adquiridos ao preço de R$ 8.475,06. 25, por meio da Vepema. Conforme o delegado Fernando Olegário, titular do Denarc, o equipamento tem sido utilizado quase que diariamente em inúmeras investigações da PCRR de combate às drogas no Estado.

“É impossível precisar em quantas operações já utilizamos o drone e a câmera desde que foram adquiridos. Mas posso afirmar, sem a menor dúvida, de que o drone tem sido de extrema importância para as investigações”, ressaltou Olegário.

O evento, coordenado pelo TJRR (Tribunal de Justiça de Roraima), será aberto ao público e terá outros projetos expostos. A ação é uma forma de prestar contas com a sociedade, vez que a verba é derivada dos valores recebidos de transações penais, suspensão condicional do processo e de sentença condenatória no âmbito da Comarca de Boa Vista.

IML - Neste ano de 2019, o IML (Instituto Médico Legal) também foi contemplado com um alvará no valor de R$ 10.818,09 para investimentos na Sala Lilás. De acordo com a diretora do IML, Marcela Campelo, o dinheiro será aplicado no acolhimento às vítimas de violência atendidas na Sala Lilás, local que garante a privacidade dessas pessoas.

“Com esse recurso, vamos conseguir proporcionar um melhor conforto às vítimas que atendemos, sejam crianças, mulheres ou público LGBT. A ideia é investir no ambiente para humanizar ainda mais o acolhimento”, ressaltou a diretora.